Veja como o aumento da temperatura pode levar a mais de 2 mil mortes por ano só nos EUA

ANÚNCIO

As consequências das mudanças climáticas são mais imediatas do que nunca.

O impacto do aquecimento global na saúde das pessoas | GZH
Foto: (reprodução/internet)

De acordo com um novo estudo, o aumento das temperaturas pode levar a mais de 2.000 feridos fatais ou mortes por ano apenas nos EUA.

ANÚNCIO

Espera-se que o principal grupo demográfico que será afetado por isso seja de homens mais jovens.

O estudo prevê que, se as temperaturas subirem 1,5 ºC, isso poderá resultar em 1.600 mortes adicionais por ano, enquanto um aumento de 2 ºC pode significar 2.100 mortes. O cenário afetará principalmente homens com idades entre 15 e 34 anos.

De acordo com o estudo, os estados norte-americanos que poderiam ser os mais afetados por isso são Flórida, Texas e Califórnia.

ANÚNCIO

As mudanças climáticas podem afetar muito os jovens

Os ferimentos fatais nesses casos podem ser resultantes de quedas, afogamentos e transporte. Além disso, lesões intencionais por agressão e suicídio também podem contribuir.

“Essas previsões sugerem que devemos esperar mais mortes por acidentes de transporte, suicídios, afogamentos e violência à medida que as temperaturas sobem. Esses novos resultados mostram o quanto as mudanças climáticas podem afetar os jovens.”

“Precisamos responder a essa ameaça com melhor preparação em termos de serviços de emergência, apoio social e advertências de saúde”, explicou o autor sênior, Professor Majid Ezzati, do Imperial College London.

Veja também: O aquecimento global aumentará a demanda por água e eletricidade mais do que pensávamos, entenda

Em 38 anos, foram 5,9 milhões de mortes por lesões

A pesquisa envolveu o estudo de mortes por lesões entre os anos de 1980 a 2017 no continente dos EUA, excluindo o Havaí e o Alasca.

Durante esse período de 38 anos, 4,1 milhões de meninos e homens e 1,8 milhão de meninas e mulheres morreram em decorrência de ferimentos.

De acordo com as contribuições nacionalmente determinadas no Acordo Climático de Paris de 2015, as partes concordaram em envidar esforços para limitar o aumento da temperatura devido ao aquecimento global em 1,5 a 2 graus acima dos níveis pré-industriais.

O artigo de pesquisa, que foi apoiado por uma bolsa da Agência de Proteção Ambiental dos EUA, foi publicado na revista Nature Medicine.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Organic Facts

ANÚNCIO