Como a urbanização está associada ao aumento de doenças infecciosas?

ANÚNCIO

A crescente urbanização pode ser um fator impulsionador da disseminação de doenças infecciosas em todo o mundo.

Os problemas de saúde que atingem as grandes cidades | Veja Saúde
Foto: (reprodução/internet)

Uma importante revisão conduzida por uma equipe interdisciplinar de pesquisadores do Reino Unido e Canadá descobriu que a expansão urbana estendida pode ter resultado em uma vulnerabilidade crescente à propagação de doenças infecciosas.

ANÚNCIO

Leia também: Entenda como a pecuária intensiva traz e pode trazer ainda mais riscos de uma epidemia

Publicado na revista Urban Studies, o artigo enfocou a urbanização ampliada, particularmente as relações e rupturas socioecológicas que levaram a uma ocorrência crescente de doenças infecciosas em áreas periurbanas e suburbanas.

A urbanização estendida inclui suburbanização, pós-suburbanização e periurbanização. Ocorre na periferia das cidades à medida que se expandem. Essa extensão, especialmente nas nações em desenvolvimento da Ásia e da África, também está mudando a maneira como as pessoas vivem e interagem umas com as outras.

O resultado é uma interação fluida entre os ambientes urbano e rural, que criou ‘novos nichos ecológicos‘ que favorecem a propagação de doenças infecciosas. O estudo descobriu que essas áreas eram mais propensas a ser o centro de doenças infecciosas novas e reemergentes.

ANÚNCIO

A crescente interação entre humanos, gado e vida selvagem deslocada coloca essas áreas em um risco particular de zoonose ou doenças infecciosas que saltam de animais para humanos.

O artigo identifica três fatores principais que levaram à disseminação de doenças infecciosas, mudanças demográficas, infraestrutura e governança. O estudo concluiu com a convocação de mais pesquisas nesta área para gerenciar possíveis surtos e minimizar os riscos.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Organic Facts

ANÚNCIO