Estudo refuta a teoria de que existe um paciente zero do coronavírus

ANÚNCIO
Visão | “Paciente zero”: os mistérios por trás das piores epidemias recentes
Foto: (reprodução/internet)

Sabemos que o vírus SARS-CoV-2 responsável pela pandemia de coronavírus é altamente adaptável e sofreu mutações consideráveis ​​desde que foi descoberto. Agora, uma equipe de cientistas do Reino Unido identificou mais de 200 mutações genéticas no vírus.

Leia também: Como morcegos carregam coronavírus sem adoecerem?

Este estudo mostra como o vírus evoluiu e se adaptou entre seus hospedeiros humanos. Curiosamente, eles também encontraram uma grande variação semelhante de pool genético em todos os países mais afetados, negando a sugestão de um único “paciente zero”.

ANÚNCIO

O estudo foi publicado na revista Infection, Genetics and Evolution. Para reunir suas informações, a equipe estudou a composição genética de mais de 7.500 vírus de pessoas infectadas em todo o mundo.

Eles usaram dados de várias fontes na comunidade científica global, o que lhes deu acesso a mais de 11.000 sequências completas do genoma do SARS-CoV-2. Eles descobriram 198 mutações que ocorreram independentemente umas das outras e em vários momentos.

Essas descobertas sugerem que o vírus compartilha um ancestral comum e provavelmente já circulava entre os humanos muito antes de ser detectado. Eles também descobriram que a diversidade do genoma no Reino Unido era semelhante ao que viram em todo o mundo.

ANÚNCIO

Isso sugere que o vírus entrou no país por meio de vários hóspedes independentemente. Isso refuta a teoria de um “paciente zero“. Essa pesquisa também é fundamental no desenvolvimento da vacina, pois a evolução do genoma pode prejudicar sua eficácia.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Organic Facts

ANÚNCIO