Conheça o perigo das falsas memórias no âmbito criminal

ANÚNCIO

Em 2015, um grupo de pesquisadores publicou um estudo inédito sobre como memórias falsas podem ser implantadas com o uso de táticas sugestivas e perguntas direcionadas.

Falsas memórias e processo penal
Foto: (reprodução/internet)

Baseando dois novos estudos nessas descobertas, os pesquisadores descobriram que, quando essas memórias falsas implantadas são apresentadas a uma terceira pessoa, elas aparecem como uma recontagem de um incidente real.

ANÚNCIO

Leia mais sobre assuntos relacionados à memória: Por que pessoas egoístas não assumem atos de egoísmo?

No estudo anterior, os participantes adultos jovens foram convencidos, usando técnicas de visualização, bem como as táticas mencionadas, de que estavam sendo ajudados a recuperar uma memória esquecida de um crime.

Isso aconteceu depois que a equipe coletou informações sobre sua vida depois de falar com um membro da família. O estudo descobriu que plantar memórias que parecem reais é possível, pois os participantes estavam convencidos de que cometeram o crime.

Um dos estudos recentes utilizou os vídeos dos participantes do estudo de 2015 recontando essa memória do crime, mostrando-a para novos participantes. Eles foram questionados se acreditavam ser uma verdade da vida da pessoa.

ANÚNCIO

Embora 53% dos participantes acertem, o estudo considera isso como uma chance. Durante a segunda pesquisa, os participantes foram informados de que uma das memórias que estavam sendo mostradas era falsa.

Os resultados deste estudo foram concordantes com o estudo anterior, com a maioria dos participantes não sendo capaz de se identificar de forma adequada. Também foi observado que, em tais casos, memórias verdadeiras parecem memórias falsas.

“Profissionais do direito e policiais precisam perceber como é fácil manipular a memória de alguém. Os juízes, em particular, nunca devem presumir que podem dizer quando alguém tem uma memória falsa e devem considerar todo o processo para ver se houve algum risco de contaminação do réu ou das memórias de uma testemunha”, disse a Dra. Julia Shaw, uma honorária pesquisador associado da University College London e principal autora deste estudo.

“As descobertas realmente destacam a importância de garantir que os procedimentos criminais sejam executados corretamente. O processo de interrogatório deve ser baseado em evidências, para reduzir o risco de implantação de falsas memórias em pessoas que estão sendo questionadas pela polícia”.

Os resultados do novo estudo foram publicados na revista Frontiers in Psychology.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Organic Facts

ANÚNCIO