E se algumas vacinas infantis pudessem atuar como um inibidor natural do COVID-19?

ANÚNCIO
5 dicas para empresas evitarem o contágio por coronavírus durante campanhas  de vacinação - Agência CNI de Notícias
Foto: (reprodução/internet)

Em um artigo publicado na American Society of Microbiology, dois cientistas americanos propuseram que a administração de vacinas vivas atenuadas não relacionadas, como a Vacina Tríplice Viral (SCR), poderia prevenir as complicações associadas ao COVID-19. Isso poderia ajudar a reduzir significativamente as morbidades relacionadas.

Fique por dentro: Vacina contra Covid-19 apresenta 98% de eficácia em idosos

Os autores apontaram para o aumento da evidência em todo o mundo que mostra resultados positivos com vacinas vivas atenuadas semelhantes, como a BCG.

ANÚNCIO

Essas vacinas podem ativar as células imunológicas inespecíficas do corpo, que por sua vez acionam as células brancas do sangue no sistema imunológico. Isso pode ajudar a criar uma defesa eficaz no caso de infecções não relacionadas.

Muitos países já estão experimentando essa estratégia. Os autores indicaram pelo menos 6 ensaios clínicos que estão ocorrendo na Austrália, Europa e Estados Unidos. Esses ensaios envolvem BCG, outra vacina viva atenuada comum administrada na infância. No entanto, a vacinação BCG não é realizada nos EUA.

Assim, os autores propuseram a vacina SCR como alternativa. Eles apoiaram este argumento com o recente caso de COVID-19 espalhado entre os 955 marinheiros do USS Roosevelt. Esses marinheiros relataram sintomas leves, com apenas uma hospitalização. A vacina SCR, dada a recrutas da Marinha dos EUA, foi comumente considerada a razão.

ANÚNCIO

Os autores propuseram um ensaio clínico randomizado sobre SCR versus BCG para infecções por COVID-19. Finalmente, eles recomendaram a dose de reforço SCR para trabalhadores de alto risco e socorristas.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Organic Facts

ANÚNCIO