Veja dois pensamentos que você não deve ter sobre dinheiro

ANÚNCIO

Nossa economia está longe de ser perfeita. Embora existam muitos fatores além do nosso controle que afetam nossas finanças, talvez seja mais útil nos concentrar nas mudanças que podemos fazer.

Às vezes, podemos fazer mais em relação às nossas finanças do que pensamos. E devemos começar derrubando certos pensamentos. Conheça a seguir.

ANÚNCIO
Minhas finanças em crise: dicas para fugir das dívidas e alcançar metas
Foto: (reprodução/internet)

1. “Minhas finanças estão muito complicadas”

As finanças pessoais têm muitas regras e isso pode ser intimidante para muitas pessoas. Em vez de se aprofundar e começar, eles adiam lidar com suas finanças porque parece muito complicado.

Como diz a colunista de finanças pessoas Jean Chatzky, muitas pessoas pensam que precisam de um certo nível de especialização para fazer progresso com seu dinheiro. “O que você precisa é de algum conhecimento básico combinado com hábitos sólidos”, diz Chatzky.

“Se você conseguir economizar automaticamente, invista esse dinheiro (de novo automaticamente) em um portfólio diversificado (um fundo de data-alvo, digamos, ou alguns fundos de índice), e mantenha suas mãos longe, você ficará bem”, ela finaliza.

ANÚNCIO

Os princípios básicos da administração do dinheiro são importantes, mas você não precisa aprendê-los todos de uma vez. Você só precisa de um ponto de partida. “O melhor ponto de partida é ser aberto, honesto e totalmente pronto para aprender”, diz Leanne Jacobs, uma especialista em riqueza holística.

Leia também: Entenda por que você precisa parar de pensar que dívidas fazem parte da vida

“Pegue três livros de gestão de dinheiro mais vendidos e comece a ler. Aja como se você tivesse acabado de se matricular em um curso de liderança e finanças e seja um estudante rico. O primeiro livro de gestão de dinheiro que li de capa a capa me deu energia e vontade para começar a automatizar minhas economias naquele mesmo dia”.

2. “Nunca terei dinheiro suficiente para atingir meus objetivos”

Talvez você veja as possibilidades financeiras, mas não tem certeza de como ganhará o suficiente para chegar lá.

“Primeiro, reduza o problema”, diz Chatzky. “Seus objetivos podem ser elevados e grandes em termos de reais que serão necessários para realizá-los, mas enquadrá-los dessa forma não ajuda ninguém. Em vez disso, divida-os em pedaços pequenos que você pode realizar e sentir bem consigo mesmo por fazer isso.”

Outra questão é priorizar. Às vezes, economizar para as coisas que você ama significa trocar algumas coisas que você gosta. “Deixe seus valores serem o seu guia”, diz Chatzky.

“O dinheiro é um recurso limitado e todos nós – alguns de vez em quando, alguns de nós com mais frequência do que isso – usamos nossos recursos para coisas que não importam para nós no final”.

Comece a monitorar suas compras. Em seguida, volte a eles uma semana e um mês depois e escreva como você se sente por tê-los feito”. A partir daí, você pode olhar para suas despesas e ver se há alguma que você está disposto a cortar para abrir espaço para gastos com coisas que importam mais.

“Você verá o que importa, o que não importa e onde deve alocar seus recursos no futuro”, diz Chatzky.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Mental Floss

ANÚNCIO