Status social do indivíduo com doença cardíaca afeta resultado de saúde: entenda

ANÚNCIO

Pessoas com doenças cardíacas podem viver uma vida plena, mas precisam de apoio social na medida em que a doença progride. Consequentemente, os determinantes sociais podem afetar o resultado de saúde de um paciente cardíaco.

CMOS DRAKE - Desfibriladores, Cardioversores e linha de equipamentos que salvam vidas. » Covid-19 e problemas cardíacos - relações, riscos e complicações
Foto: (reprodução/internet)

Leia mais: Maconha faz bem para o coração?

Determinantes sociais que devem ser levados em consideração

Com a publicação de duas declarações científicas em seu periódico carro-chefe, Circulation, a American Heart Association apontou a necessidade de levar em consideração os determinantes sociais do paciente ao traçar seu tratamento.

ANÚNCIO

Isso inclui seu status socioeconômico, ambiente de vida, bem como as preocupações de cuidadores familiares não remunerados. A doença cardíaca é uma condição progressiva em que o coração não bombeia o sangue com eficiência. Para levar uma vida plena, eles precisam de uma mudança de estilo de vida, medicamentos e apoio social.

À medida que a doença progride, o papel dos cuidadores torna-se ainda mais crucial. Os cuidadores são necessários para ajudar um indivíduo a administrar sua vida cotidiana ou tratamento médico complexo.

Instalações melhores para status melhores

Múltiplas questões como status de seguro, status de deficiência, raça, etnia, residência, fatores sociais e pessoais podem decidir o acesso de um indivíduo a instalações de cuidados de última geração em caso de insuficiência cardíaca.

ANÚNCIO

Cuidar, tão crucial à medida que a doença progride, também está se tornando cada vez mais complexo e desafiador. O artigo aponta o preço emocional, físico e financeiro que esse papel pode acarretar.

Para abordar essas barreiras não médicas, o artigo defende um esforço coordenado por equipes interprofissionais de saúde que podem trabalhar juntas para apoiar não apenas os pacientes, mas também seus cuidadores não remunerados.

Além do acesso mais fácil a seguro e moradia acessível, essas medidas também incluem clínicas colaborativas lideradas por enfermeiras, fornecimento de medicamentos caros, parceria com bancos de alimentos e a disseminação de informações sob medida para atender ao nível de educação e linguagem de um indivíduo.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Organic Facts

ANÚNCIO