Por que as pessoas correm um risco maior de depressão durante o isolamento social?

ANÚNCIO

O impacto de medidas como bloqueio e isolamento para nivelar a curva do COVID-19 começou a aparecer na saúde mental de vários grupos demográficos em todo o mundo.

Leia também: A pandemia aumentou os níveis de estresse e ansiedade entre estudantes universitários, revela estudo

Saúde mental na pandemia: cuidados com beneficiários e profissionais da  saúde - Previva
Foto: (reprodução/internet)

Embora os profissionais de saúde e outros profissionais da linha de frente possam ser especialmente vulneráveis, um novo estudo apontou que as pessoas correm um risco maior de depressão durante esse bloqueio devido à regulação natural do humor baixa ou ausente.

ANÚNCIO

O estudo, conduzido por uma equipe de pesquisadores do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Oxford, envolveu 58.328 participantes em países de baixa, média e alta renda e analisou se a falta de regulação natural do humor pode estar ligada a um histórico de depressão.

O mecanismo natural de regulação do humor ou ‘homeostase do humor’, é o elo entre como as pessoas podem estar se sentindo agora e as atividades que escolhem em seguida para estabilizar seu humor.

Observou-se que em pessoas com histórico de baixo humor ou depressão, os mecanismos de regulação do humor podem ser prejudicados. Além disso, na atual situação de pandemia, o acesso das pessoas a atividades que elevam o humor ou calmantes é limitado, o que não auxilia no funcionamento da homeostase do humor.

ANÚNCIO

Guy Goodwin, professor de Oxford, disse: “Quando estamos para baixo, tendemos a escolher fazer coisas que nos alegram e quando estamos no alto podemos assumir atividades que tendem a nos derrubar. No entanto, em nossa situação atual com COVID-19, bloqueios e isolamento social, nossa escolha de atividade é muito limitada.”

Ele procede: “Nossa pesquisa mostra que essa regulação normal do humor é prejudicada em pessoas com depressão, proporcionando um novo alvo direto para futuras pesquisas e desenvolvimento de novos tratamentos para ajudar as pessoas com depressão.”

Por outro lado, o estudo também lança luz sobre a associação entre atividades e seus efeitos em países de diferentes níveis de renda. Verificou-se que o exercício ajudou pessoas em países de alta renda, enquanto a religião foi um fator importante nos outros dois grupos.

Os resultados deste estudo foram publicados na JAMA Psychiatry.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Organic Facts

ANÚNCIO