Chegou a hora de ensinar sexting seguro aos adolescentes, segundo pesquisadores

ANÚNCIO
Sexting': envio de mensagens com conteúdo sexual cresce entre os adolescentes | Tecnologia | G1
Foto: (reprodução/internet)

Os pesquisadores coletaram dados de uma amostra nacional de cerca de 5.000 jovens (com idades entre 12 e 17 anos) em abril de 2019.

Eles descobriram que o número de adolescentes envolvidos em sexting era de 14%, dos quais 23% haviam recebido imagens sexualmente explícitas.

ANÚNCIO

As porcentagens são preocupantes

Embora esse número seja bastante baixo, ele está continuamente aumentando em relação à pesquisa de base da equipe em 2016 em 13 e 22%, respectivamente.

Os pesquisadores descobriram que o sexting pode ter impactos sociais, legais e psicológicos de longo prazo.

Mais sobre a relação dos jovens com a tecnologia: Entenda como smartphones e mídias sociais aumentam as chances de sofrimento mental em adolescentes

Há uma maior associação com a vitimização do cyberbullying e a participação em comportamentos de risco.

ANÚNCIO

Muitos adolescentes também enfrentaram problemas jurídicos devido à perda de reputação. No entanto, a abstinência ou mensagens de medo podem ser contraproducentes.

Recomendação dos pesquisadores

Portanto, a equipe recomendou uma abordagem mais direta e casual, que lhes informa sobre a maneira certa de lidar com essas mensagens, suas ramificações legais e sociais.

As informações também devem ensiná-los sobre as diferentes maneiras de evitar ou desviar pedidos de sexting.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Organic Facts

ANÚNCIO