Avaliações de AVC caem 39% durante a pandemia de COVID! Descubra por que esse fato é preocupante

ANÚNCIO

 

ENTENDA O QUE É AVC OU DERRAME CEREBRAL E COMO PREVENI-LO | by Dicas de Fisioterapia | Medium
Foto: (reprodução/internet)

Uma dos problemas perturbadores da pandemia COVID-19 foi o efeito em pessoas com outros distúrbios de saúde. Fatores como o medo de uma possível infecção ou a falta de suporte imediato podem impedir as pessoas de procurar tratamento para outros problemas.

ANÚNCIO

Leia mais: Entenda como a ingestão de laticínios integrais pode reduzir o risco de diabetes, doenças cardíacas e derrame

Um estudo publicado no The New England Journal of Medicine descobriu que as avaliações de estímulo durante a pandemia caíram preocupantes 39%.

Uma vez que não há indicações que suponham uma queda na incidência de AVC, esses números indicam que as pessoas que sofrem de AVC podem não estar procurando ajuda médica para salvar vidas.

A pesquisa foi realizada por cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Washington depois que foi observado que um número muito baixo de pacientes com AVC estava sendo avaliado.

ANÚNCIO

Isso apesar do fato de que os acidentes vasculares cerebrais são a quinta causa de morte nos Estados Unidos e uma das principais causas de invalidez de longo prazo. No entanto, as chances de recuperação também são altas, desde que o tratamento seja recebido prontamente. É por isso que as taxas de avaliação baixas levantaram alarmes.

“É absolutamente doloroso conhecer um paciente que pode ter se recuperado de um derrame, mas, por qualquer motivo, esperou muito para procurar tratamento”, disse Akash Kansagra, um dos principais autores do estudo, conforme relatado no site da universidade.

A equipe decidiu entrar em contato com outros hospitais para analisar o número de avaliações. Para estimar o número de pessoas que procuram ajuda para derrame, a equipe se baseou em dados de um software conhecido como RAPID.

Este software é usado para avaliar qualquer admissão de AVC. Ao todo, eles estudaram 231.753 pacientes de 856 hospitais. Eles descobriram que, embora o software fosse usado em uma média de 1,18 pacientes por dia por hospital em fevereiro, ele caiu para 0,72 pacientes por dia durante o período da pandemia. Essa foi uma queda de 39%.

É preocupante que essa tendência seja observada de forma generalizada e até mesmo em cidades onde havia poucos pacientes com COVID-19 e o sistema de saúde não estava sobrecarregado.

“Suspeito que estamos testemunhando uma combinação de pacientes relutantes em procurar atendimento por medo de contrair COVID-19 e os efeitos do distanciamento social”, especulou Kansagra.

A resposta à emergência também depende da ação imediata das pessoas que convivem com o paciente. “Em uma época em que estamos todos isolados em casa, pode ser que os pacientes que sofreram derrame não sejam descobertos com rapidez suficiente”, acrescentou Kansagra.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Organic Facts

ANÚNCIO