Muitos bebês têm sido diagnosticados com alergia ao leite de vaca. Mas esse diagnóstico está correto?

ANÚNCIO

As alergias ao leite de vaca em bebês e crianças podem ter sido diagnosticadas em excesso nos últimos anos, e as diretrizes atuais sobre as alergias ao leite de vaca podem ter um papel importante a desempenhar nisso.

Biberões podem estar a deixar os bebés mais gordos
Foto: (reprodução/internet)

Um novo estudo descobriu que, embora cerca de 14% das famílias acreditem que seu filho tem alergia ao leite de vaca, apenas 1% dos bebês poderia ser diagnosticado com a alergia.

ANÚNCIO

Mais sobre o leite: Entenda como a ingestão de laticínios integrais pode reduzir o risco de diabetes, doenças cardíacas e derrame

A mudança do leite materno para outras fontes de leite, como o leite de vaca, é uma progressão natural para os bebês, que eventualmente os levará para alimentos sólidos.

Além disso, também é natural que os novos pais se preocupem com a saúde de seus bebês e confiem nas informações amplamente disponíveis para entender o que o filho está sentindo.

No entanto, as diretrizes atualmente disponíveis sobre alergias ao leite de vaca, conclui o estudo, podem estar nomeando comportamentos comuns de bebês como sintomas de alergia ao leite de vaca.

ANÚNCIO

O Dr. Robert Boyle, consultor especialista em alergia e autor principal da pesquisa do Instituto Nacional do Coração e Pulmão do Imperial, explicou: “Muitos bebês que são rotulados como tendo alergia ao leite não apresentam a doença. Ter um filho com suspeita de alergia ao leite pode ser um momento estressante para qualquer família.”

Ele procede: “O diagnóstico incorreto de alergia ao leite pode levar a outra condição com sintomas semelhantes sendo ignorados, ou mães que amamentam seguem dietas restritas desnecessariamente – ou até mesmo interrompem completamente a amamentação. Também pode levar as famílias e o NHS a pagar desnecessariamente por fórmulas especializadas caras.”

O estudo analisou nove diretrizes oficiais divulgadas entre os anos de 2012 a 2019, principalmente em organizações de países europeus. Constatou-se que oito em cada dez autores dessas diretrizes expressaram conflito de interesses com os fabricantes de fórmulas. Três dessas diretrizes também foram diretamente apoiadas por fabricantes de fórmulas ou consultores de marketing.

Os resultados deste estudo foram publicados na JAMA Pediatrics.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Organic Facts

ANÚNCIO