A atividade física pode melhorar o desempenho escolar das crianças?

ANÚNCIO
Confira as vagas de emprego do Sine em Macapá para o dia 2 de outubro | Amapá | G1
Foto: (reprodução/internet)

Embora 100% de brincadeiras e nenhum trabalho para as crianças certamente não seja o caminho a seguir, uma pequena intervenção de atividade física em crianças pode ajudar em seu crescimento escolar.

Um estudo liderado por uma equipe de uma universidade japonesa descobriu que, em crianças que precisam, a atividade física de rotina pode melhorar a cognição, o que por sua vez pode estimular o crescimento acadêmico.

ANÚNCIO

Fique por dentro: Veja como a arte das crianças impulsiona sua criatividade de 6 maneiras diferentes

O estudo considera o preconceito comum de que crianças com bom desempenho acadêmico não são vistas passando muito tempo no parquinho. Além disso, costuma-se presumir que a hora de brincar pode atrapalhar o crescimento acadêmico do aluno.

Saiba porque cursar educação física através de Webinar Faresi | Faresi
Foto: (reprodução/internet)

Oferecendo uma perspectiva mais recente, o estudo descobriu que as crianças que tem um histórico acadêmico ou habilidades cognitivas ruins poderiam se beneficiar ao máximo incluindo a atividade física em suas rotinas.

Três tipos de habilidades cognitivas, conhecidas coletivamente como funções executivas, foram analisados ​​durante esta pesquisa. Isso incluía a capacidade de inibir impulsos e comportamento semelhante ao reflexo, a capacidade de reter informações na memória de trabalho e a flexibilidade mental.

ANÚNCIO

O professor associado Keita Kamijo, da Universidade de Tsukuba, disse:“Como as funções cognitivas avaliadas em nosso estudo estão relacionadas ao desempenho acadêmico, podemos dizer que a atividade física diária é fundamental para crianças em idade escolar”.

“Nossas descobertas podem ajudar as instituições de ensino a projetar sistemas apropriados para maximizar os efeitos da atividade física e dos exercícios”, ele finaliza.

Os resultados deste estudo foram publicados no Journal of Clinical Medicine.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Organic Facts

ANÚNCIO