Todos dizem que é ilegal morrer nessa cidade da Noruega: mas isso é mesmo verdade?

ANÚNCIO
iStock/sbossert
Foto: (reprodução/internet)

Localizada no arquipélago de Svalbard, a apenas 800 milhas do Pólo Norte, a vila norueguesa de Longyearbyen tem a reputação de ser a cidade mais ao norte do mundo.

Nas profundezas do Círculo Polar Ártico, o antigo centro de mineração de carvão não vê a luz do sol por cerca de quatro meses do ano e está crivado de ursos polares – e ainda é o lar de aproximadamente 2.000 residentes e recebe mais de 65.000 visitantes a cada ano.

ANÚNCIO

Acredite ou não, segundo a BBC, The GuardianEl Pais e um punhado de outras publicações, uma lei peculiar em Longyearbyen a torna ilegal para qualquer dessas pessoas para morrer. Aparentemente, esse factóide colorido é repetido mecanicamente até mesmo por guias turísticos que vivem na região.

Mas não é verdade. Não existe nenhuma lei em Longyearbyen que torne ilegal a morte. “Não é proibido morrer em Longyearbyen”, disse Jovna Z. Dunfjell, da Igreja de Svalbard, a Mental Floss por e-mail. “Se fosse esse o caso, como você puniria o ato?

De onde surgiu esse mito?

O mito de uma lei que “proíba morrer” parece ter surgido da geografia incomum da cidade. Como Longyearbyen está tão longe do caminho tradicional, não há lares de idosos. A cidade tem um pequeno hospital local, mas não está equipado para atender aos casos médicos mais graves.

ANÚNCIO
Longyearbyen | Series 'The most extreme settlements on the planet' |  OrangeSmile.com
Foto: (reprodução/internet)

“Não é proibido morrer em Longyearbyen …”, escreveu a consultora de informações de Svalbard, Liv Asta Ødegaard, em um e – mail para os editores da Wikipedia (sim, até a Wikipedia era cética em relação a essa história).

A Noruega é um país curioso. Leia mais: Essa cidade norueguesa utiliza um “sol artificial” no inverno, entenda o caso

“Todos os habitantes de Longyearbyen precisam manter um endereço no continente e, quando envelhecem e precisarem de ajuda e cuidados da sociedade, precisam se mudar de volta para o continente”.

Em outras palavras, morrer não é proibido – é apenas incomum. Se você estiver em perigo de morrer, o hospital local o enviará para um hospital do sul. (Embora obviamente não seja algo para o qual as pessoas sempre possam se preparar: em 2015, uma avalanche matou duas pessoas.)

No entanto, para os mortos de azar de Longyearbyen, é proibido ser enterrado em um caixão. É tão frio em Longyearbyen que os corpos mal se decompõem. (Urnas são permitidas, no entanto.)

Alguém já morreu na cidade?

Na verdade, alguns corpos centenários no cemitério local ainda contêm vestígios raros do vírus da gripe de 1918 que matou cerca de 40 milhões de pessoas.

Em 1998, pesquisadores visitaram o cemitério para coletar amostras do material genético do vírus. As descobertas foram extremamente valiosas e ajudaram os cientistas a entender melhor como combater casos semelhantes no futuro. A pesquisa pode salvar milhões de vidas.

(E se você estiver planejando uma viagem, não acredite nos rumores de que esse vírus pode se espalhar para os visitantes. Em um e-mail, o conselheiro de comunicação de Svalbard, Terje Carlsen, escreve: “Este não é um vírus ativo e não é considerado uma ameaça”. Mas tome cuidado com os ursos polares!)

Scenery of Longyearbyen, Norway - Global Times
Foto: (reprodução/internet)

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Mental Floss

ANÚNCIO