Conheça o estudo que mostra como mulheres são mais resilientes ao Alzheimer

ANÚNCIO

As mulheres têm maior probabilidade do que os homens de desenvolver Alzheimer, mas seu tempo de vida após a doença também é maior. Os homens também apresentam mais déficits cognitivos do que as mulheres.

Isso significa que, embora as mulheres tenham maior probabilidade de contrair a doença, sua progressão é menos agressiva. Pesquisas recentes podem ter finalmente desvendado a razão por trás da resiliência das mulheres ao Alzheimer.

ANÚNCIO

Uma revisão de estudos com animais e humanos por cientistas da Universidade da Califórnia, revelou que os cromossomos sexuais nas mulheres oferecem proteção dupla contra os estragos da doença.

Publicadas na Science Translational Medicine, as descobertas mostram que algumas pessoas têm uma variante especialmente potente no cromossomo. Estudos em camundongos revelaram que o cromossomo x afetou a vulnerabilidade relacionada ao Alzheimer.

Coronavírus: Rússia vai criar "rato humanizado" para testes de laboratório
Foto: (reprodução/internet)

Quando os ratos foram projetados para carregar um segundo cromossomo X, a equipe notou uma resistência marcante. Isso foi em parte devido a um gene do cromossomo X conhecido como Kdm6a. A variação do Kdm6a nos humanos está ligada a um delínio menos acelerado da cognição.

ANÚNCIO

Uma variante especialmente ativa do Kdm6a está presente em 7% dos homens e 13% das mulheres. Como as mulheres têm dois cromossomos X, suas chances de carregar esse gene também aumentam.

Dia Internacional do Idoso assinalado em Gouveia | Município de Gouveia
Foto: (reprodução/internet)

Algumas mulheres têm duas cópias do gene. Estudos de longo prazo com idosos, alguns dos quais com comprometimento cognitivo leve, revelaram que mulheres com o gene apresentaram uma progressão mais lenta para o mal de Alzheimer. Os dados sobre os homens foram inconclusivos devido à falta de números significativos.

Os estudos revelam que as mulheres carregam mais da proteína Kdm6a do que os homens. Ele também revelou que a proteína Kdm6a está em um número maior nas áreas do cérebro que são afetadas pela primeira vez devido ao Alzheimer. Isso levou a equipe a teorizar que o cérebro produz a proteína para lutar contra o Alzheimer.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Organic Facts

ANÚNCIO