O gelo do Ártico pode desaparecer até 2035, revela estudo

ANÚNCIO

 

O vídeo que te vai gelar o coração e abrir os olhos para o aquecimento  global
Foto: (reprodução/internet)

A ameaça iminente da mudança climática, em nenhuma medida, é notícia de última hora hoje. Várias seções contemplam a linha do tempo de seu impacto e tentam prever alguns pontos de inflexão importantes que podem alterar nosso meio ambiente.

ANÚNCIO

Mas um novo estudo colocou em perspectiva a ameaça de derretimento do gelo. Após análise de evidências, a nova pesquisa descobriu que o gelo no mar Ártico pode ser inexistente em 2035.

Leia também: Incêndios no Pantanal já ocuparam metade das terras indígenas

Alerta climático? Aquecimento estratosférico repentino na Antártica poderia  afetar Austrália - Sputnik Brasil
Foto: (reprodução/internet)

A pesquisa comparou dados do último período interglacial, um período quente experimentado no Ártico cerca de 127.000 anos atrás, com o verão e a primavera mais recentes. Levou em consideração a formação de ‘tanques de derretimento’ no mar durante essas estações e estudou quanta luz é refletida e quanta é absorvida.

ANÚNCIO

“As altas temperaturas no Ártico confundem os cientistas há décadas. Desvendar esse mistério foi um desafio técnico e científico. Pela primeira vez, podemos começar a ver como o Ártico ficou sem gelo marinho durante o último período interglacial.”

“Os avanços obtidos na modelagem climática significam que podemos criar uma simulação mais precisa do clima passado da Terra, o que, por sua vez, nos dá maior confiança nas previsões do modelo para o futuro ”, diz a co-autora Dra. Maria Vittoria Guarino, do British Antarctic Survey. 

Com base nesses dados, o estudo sugere que todo o gelo do Ártico pode derreter até o ano 2035. Isso pode significar um forte impacto sobre todas as variedades de flora e fauna deste ecossistema, o que por sua vez pode afetar outros ecossistemas.

Espaço Ecologico No Ar - Aumento do nível do mar e derretimento de geleiras  ameaçam sobrevivência de ursos polares
Foto: (reprodução/internet)

Os resultados deste estudo foram publicados na revista Nature Climate Change.

Traduzido e adaptado por Agora Sabe

Fonte: Organic Facts

ANÚNCIO